Logo

SUS vai oferecer teste genético pré-nupcial

O Ministério da Saúde pretende implantar o aconselhamento genético para casais, chamado de “teste pré-nupcial”, na rede pública de saúde. O objetivo é permitir que qualquer casal que deseje fazer os exames possa descobrir os riscos de gerarem filhos com doenças raras congênitas para, então, passarem por uma avaliação, acompanhamento e aconselhamento de geneticista.

De acordo com o órgão, o protocolo de atendimento seria direcionado, inicialmente, para a Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS). Com base em perguntas e exames específicos, o médico teria subsídios para avaliar a existência ou não de risco. Se as chances de problemas fossem relevantes, o casal seguiria para o médico geneticista, que, utilizando estatísticas, exames e evidências científicas, abordaria os problemas, dificuldades e sofrimentos que a família poderia passar se decidisse manter o projeto de ter filhos naquelas condições.

A Sociedade Brasileira de Genética Médica (SBGM) questiona quais seriam os benefícios, riscos e desafios de oferecer os testes a todos os casais brasileiros, concluindo que essa não seria a melhor solução para os problemas gerados por doenças raras.

“O processo de aconselhamento genético é complexo, caro – cada procedimento pode custar até R$ 12 mil – e requer uma estrutura bem-organizada. Não é um teste oferecido de maneira isolada, sem a construção de uma rede de cuidados, que solucionará esses problemas”, afirma a geneticista Eugênia Valadares, membro da SBGM e pós-doutora na área de triagem neonatal pela Universidade de Viena.

Ela aponta que a ideia não é inválida, mas, da forma como foi divulgada, não iria reduzir a frequência das doenças raras e outros tipos de complicações e anomalias genéticas. Além disso, poderia causar um rombo nas contas da saúde pública (cerca de R$ 2 bilhões por ano, conforme análise da SBGM).

Veja reportagem completa em:
https://www.otempo.com.br/interessa/sus-vai-oferecer-teste-gen%C3%A9tico-pr%C3%A9-nupcial-1.1610650