Logo

Ministério da Saúde mantém sete Secretarias temáticas

Os nomes que estarão a frente das Secretarias na nova gestão foram anunciados nesta quarta-feira (02) pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, após transmissão de cargo da pasta

O novo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou nesta quarta-feira (02) que manterá as sete Secretarias temáticas já existentes no Mistério da Saúde. Nortearão os trabalhos da pasta as Secretarias Executiva, de Vigilância em Saúde, de Atenção à Saúde, de Atenção Indígena, de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, e de Gestão Estratégica e Participativa.

Ao assumir a pasta, o novo ministro destacou que um dos pontos prioritários de sua gestão será a melhoria dos gastos e a reaplicação dos recursos economizados no que ele chamou de “objeto fim”, a assistência. Essa missão foi dada ao novo Secretário Executivo, o médico João Gabbardo dos Reis. “Temos que assegurar que cada centavo economizado por esse ministério deva ir para o objeto fim dele, que é a assistência. Nós vamos atrás de cada centavo e isso vai ficar muito nos ombros do Gabbardo”, enfatizou Mandetta.

Para garantir a continuidade das ações de assistência à saúde, o administrador Francisco de Assis Figueiredo permanece como secretário de Atenção à Saúde (SAS). “Nós estamos com os prefeitos no meio do seu mandato e muitos projetos em execução, então essa continuidade é importante neste momento”, afirmou o novo ministro. Ainda no campo da assistência à saúde, o ministro enfatizou que a atenção básica ganhará mais destaque na sua gestão. “A atenção básica terá que ser o norte do SUS. Meu compromisso com a atenção básica é integral durante a minha gestão à frente do Ministério da Saúde”, enfatizou o ministro.

Outro nome que continua compondo a equipe do Ministério da Saúde, é o Secretário Especial de Saúde Indígena (Sesai), Marco Antonio Toccolini. Ao anunciar a permanência de Toccolini, Mandetta também informou que a Secretaria deverá passar por uma reestruturação, mantendo o tom humanitário, mas também olhando para a racionalidade dos recursos. “Nós temos quase um sistema de saúde paralelo, improvisado, sem devidos controles do estado e com indicadores muito aquém dentro do que é gasto com saúde indígena. Temos que tratar os índios como personagens do seu tempo que vão nos ajudar nessa missão de uma nova saúde indígena”, ressaltou.

Assume a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE), do Ministério da Saúde, o cardiologista, professor e pesquisador, Denizar Vianna de Araújo. Qualificando a SCTIE como “ministério da Saúde do amanhã”, o novo ministro ressaltou a importância da ciência e tecnologia para a saúde. “O compartilhamento de risco será uma tônica da Secretaria. É preciso convencer a gestão através da ciência, verdade, redução de gastos”, afirmou Mandetta.

O Doutor em epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Wanderson Kleber de Oliveira, será o novo titular da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde. Sobre a vigilância, o ministro ressaltou que o objetivo é reorganizar a Secretaria para que ela seja uma “bússola norteadora das tomadas de decisões através de um sistema de vigilância mais organizado e célere”.

Assume a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, a pediatra Mayra Isabel Pinheiro com o objetivo de formular políticas públicas orientadoras da gestão, formação e qualificação dos trabalhadores e da regulação profissional na área da saúde no Brasil.

Por fim, o ministro anunciou como novo titular da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa (SGEP), do Ministério da Saúde, o médico da família, professor e pesquisador, Erno Harzheim. “Imagino que é dessa Secretaria que nascerá as condições de fazermos a Secretaria Nacional de Atenção Básica. O Erno vem com todo conhecimento de atenção básica, de rede”, finalizou o ministro Henrique Mandetta.

Fonte: Agência Saúde